Sem categoria

Quais são os aminoácidos presentes na creatina?

quais são os aminoácidos presentes na creatina

Quais são os aminoácidos presentes na creatina? – Na era das redes sociais e da cultura de exposição da própria imagem nelas a preocupação com a estética se faz cada vez maior. Assim, percebemos as academias cada vez mais lotadas, pois as pessoas querem alcançar o físico mais definido possível, e as clínicas de estética formando filas para atender às necessidades de dieta para atingir bons resultados na academia e para resolver questões que sempre causaram incômodo, mas têm suas proporções aumentadas com esse fenômeno, como é o caso da acne.

Isso acontece porque as pessoas têm a necessidade de expor ao público o que acreditam ser a melhor versão de si, o que é muito atrelado à estética principalmente quando se trata de redes sociais que têm como foco principal a foto, resultando, ainda, em outro aspecto cultural da atualidade: a edição das fotos, que gera uma imagem irreal das pessoas, estabelecendo um padrão estético irreal. Além disso, ao acompanharem centenas de outras pessoas nessas redes, o contato contínuo com aqueles cujos corpos são uma espécie de meta traz à tona com muito mais frequência a necessidade de se esforçar para alcançar esse objetivo, o que inicia uma corrida em busca da perfeição.

Dessa maneira, ao desejarem potencializar os resultados de seus exercícios físicos e atingi-los de maneira mais rápida, as pessoas procuram cada vez mais por suplementos que cumpram essa função. Tais recursos podem ser de grande ajuda para a obtenção dos resultados desejados, mas é importante tomar certos cuidados e precauções para assegurar a saúde perante a esse consumo.

O fenômeno da internet, apesar de ter pontos negativos associados às pressões estéticas nas redes sociais, foi muito benéfico no sentido da democratização das informações, que têm ficado cada vez mais acessíveis, sendo este um grande estímulo para as pessoas se informarem inclusive a respeito da própria saúde e, assim, entenderem melhor como funcionam os processos que se dão nos organismos.

Dessa maneira, aumenta também a curiosidade a respeito destes assuntos, de modo que passam a surgir cada vez mais perguntas sobre os mais diversos assuntos, o que é muito benéfico para as pessoas, que entendem melhor os fenômenos relacionados a seus corpos e, assim, lidam melhor com tudo relacionado a eles. Neste artigo, falaremos sobre um dos suplementos líderes do mercado, a creatina, e sobre os aminoácidos nela presentes.

O que é creatina?

A creatina é uma substância formada por um conjunto de aminoácidos encontrado nas fibras musculares e no cérebro. Tais aminoácidos, considerados não essenciais, são produzidos no nosso próprio organismo, nesse caso, no fígado e nos rins. A quantidade produzida por esses órgãos, entretanto, é considerada apenas metade do necessário para o corpo, sendo a outra metade obtida por meio de ingestão de carne, que é o significado do termo grego kreas, do qual se originou a palavra creatina, ou de suplementação.

Como a creatina age no organismo?

Ao ser produzida, a creatina participa do processo de produção de moléculas de ATP (adenosina trifosfato), que armazenam energia em suas ligações químicas, e é transportada pela corrente sanguínea até os tecidos musculares, onde, após ser fosforilada, ela se transforma em uma excelente reserva de energia devido à ligação fosfato, altamente energética. Assim, as pessoas que têm interesse em elevar seus níveis de ATP a fim de aumentar a produção e reserva energética, além de a consumirem por meio da alimentação, procuram pelos suplementos de creatina, muito populares no meio de atletas cujas atividades físicas são intensa e curtas, como os fisiculturistas e os lutadores de jiu-jitsu, muay thay e judô.

Ao ser usada por esse tipo de atleta, o suplemento, que pode ser encontrado nas formas de pó, comprimido e cápsula, promove o ganho energia, aumentando a resistência, e fortalece os músculos do atleta, aumentando sua força, além de agir na regeneração muscular, reduzindo o tempo necessário para recuperação de cada exercício, o que provoca melhora no desempenho nas atividades físicas e, consequentemente, melhora nos resultados objetivados.

Quais são os benefícios da creatina?

O principal uso da creatina é o de potencializador de desempenho e dos treinos de atleta, sendo valiosas as vantagens do uso com esse objetivo. Alguns deles são: o ganho de energia para realização de atividades físicas intensas e curtas e o aumento da força muscular, o que melhora o desempenho nos treinos; a diminuição do tempo que os músculos levam para se recomporem entre um exercício físico e outro, possibilitando a próxima prática de atividade física com a mesma qualidade em um período de tempo muito menor; o aumento das possibilidades de ganho de massa magra e hipertrofia muscular, atingindo resultados mais satisfatórios; a redução de danos às células musculares, diminuindo a inflamação após exercícios pesados; a queima de gordura devido à manutenção do tecido muscular magro metabolicamente ativo e a diminuição da gordura corporal devido ao aumento das contrações musculares, ajudando no aumento da concentração da massa magra no corpo, e fortalecimento dos músculos, tornando-os mais resistentes.

A combinação de tais efeitos potencializadores do exercício físico e a prática deles pode gerar, ainda, melhora na saúde cardíaca e de distúrbios neuromusculares.

Além disso, há estudos clínicos que mostram o uso da creatina como possível responsável por impulsionar os resultados de tratamentos de condições relacionadas a perda de força muscular e atrofia, como a distrofia muscular e a ELA (esclerose lateral amiotrófica), da diabetes tipo 2, e por ajudar no controle do açúcar no sangue e, até do Parkinson, devido a sua ação estabilizadora da função mitocondrial e antioxidante. Existem, ainda, estudos que apontam a versão monohidratada do suplemento como benéfica para as funções cerebrais, para o metabolismo e a qualidade muscular de idosos, evitando a perda de massa muscular recorrente nessa faixa etária, e para a prevenção e tratamento do Alzheimer, doença caracterizada pela diminuição do metabolismo da creatina.

O que são aminoácidos?

Os aminoácidos são moléculas orgânicas compostas sempre por um carbono central (C) ligado a um hidrogênio (H), a uma carboxila (COOH) e a uma amina (NH2), além do chamado radical, que é o que diferencia estas substâncias. São reconhecidos 20 aminoácidos principais, chamados de primários ou padrão, sendo estes ainda divididos em dois grupos: não essenciais e essenciais.

Os aminoácidos não essenciais são aqueles que o próprio corpo humano produz, não sendo necessária a procura por eles na alimentação a não ser por objetivos específicos que fogem à nutrição básica. São eles: glutamina, alanina, asparagina, ácido aspártico, ácido glutâmico, arginina, cisteína, glicina, prolina, pirrolisina, asparagina e serina. Já os aminoácidos essenciais, são aqueles que o corpo não produz e, por isso, devem ser obtidos por meio da inclusão de alimentos que os contenham na dieta. São eles: fenilalanina, isoleucina, leucina, valina, lisina, metionina, treonina, triptofano e histidina.

Como os aminoácidos agem no corpo?

Os aminoácidos são imprescindíveis para o funcionamento do organismo porque é a partir deles que se formam as proteínas, que desempenham funções fundamentais como a constituição dos tecidos musculares, a formação de enzimas que atuam em reações químicas nos processos do organismo, a formação dos anticorpos, o transporte de triglicérides e colesterol e a produção de hormônios.

As proteínas, cuja importância é de conhecimento geral, são macromoléculas, ou seja, moléculas complexas, formadas a partir de moléculas mais simples, sendo esse processo denominado anabolismo, em que se usa energia disponível para unir tais partículas simples para formar a mais complexa. As partículas simples, nesse caso, são os aminoácidos, que formam ligações peptídicas, ou seja, a carboxila de uma reage com a amina de outra, liberando uma molécula de água, dando origem, assim, a uma proteína.

Quais aminoácidos compõem a creatina?

Como dito, a creatina é uma substância formada por um conjunto de aminoácidos encontrado nas fibras musculares e no cérebro, mas quais são eles? Os aminoácidos que compõem a creatina são glicina, arginina e metionina, todos aminoácidos não essenciais, ou seja, que o próprio corpo sintetiza. Além das funções estruturais destes aminoácidos, os motivos pelos quais são usados, é interessante ressaltar que a glicina serve de precursor a diversas espécies químicas, a arginina é benéfica para a memória e a metionina é fundamental para a saúde do cabelo.

Gostou do nosso artigo sobre “Quais são os aminoácidos presentes na creatina?”? Confira nosso blog! Lá você encontra vários conteúdos sobre creatina, como esses que separei para você:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *