Carregando...

Loja de Pneus BH

O primeiro uso dos pneus para automóveis foi realizado pelos irmãos Michelin, André e Édouard. Eles equiparam um carro com pneus e o conduziram na corrida Paris-Bordeaux, em 1895.

Saiba Mais
Loja de Pneus BH info

Loja de Pneus BH

O primeiro uso dos pneus para automóveis foi realizado pelos irmãos Michelin, André e Édouard. Eles equiparam um carro com pneus e o conduziram na corrida Paris-Bordeaux, em 1895.

No artigo a seguir você encontrará os seguintes tópicos:

  • Loja de Pneus BH
  • A história dos pneus
  • A evolução dos pneus 1888
  • 1905
  • Década de 20
  • 1923
  • Década de 40
  • Década de 70
  • Década de 80
  • Anos 2000
  • 2012 e o futuro dos pneus
Saiba Mais

Loja de Pneus BH- Tudo Sobre

Os primeiros pneus de borracha surgiram em meados do século XIX. Eles eram pneus sólidos ou almofadados nos quais a borracha transportava a carga, absorvia choques e resistia a cortes e raspagens.


Loja de Pneus BH


Loja de Pneus BH - introducao

A indústria automobilística começou a crescer apenas no inicio do século XX e, a partir do momento que se desenvolveu, se popularizou e passou a ser produzido em massa, se ligou com outros segmentos industriais para alcançar o sucesso absoluto.

Um desses segmentos que soube crescer bastante aproveitando o crescimento dos automóveis foi a produção de pneus. Bicicletas, motocicletas, automóveis... Os âmbitos para expansão desse mercado eram grandes e sua indústria soube muito bem como ir crescendo com o passar do tempo, apesar de alguns obstáculos nos Estados Unidos.

Hoje, algumas marcas são grandes potenciais mundiais e extremamente conectadas ao objeto pneu. Pensou em pneu, você já se lembra de Pirelli e Goodyear, por exemplo, algumas das empresas do ramo com melhor publicidade e melhores lucros comerciais. Assim como qualquer tecnologia, os pneus passaram por grandes momentos em sua história evolutiva, pois a exigência por melhorias em suas condições de uso foram se fazendo necessárias e a indústria tinha sempre que responder, além de superar algumas crises proporcionando economia para os usuários. Conheça a história e a evolução dos pneus.


A história dos pneus


Loja de Pneus BH - historia

Os primeiros pneus de borracha surgiram em meados do século XIX. Eles eram pneus sólidos ou almofadados nos quais a borracha transportava a carga, absorvia choques e resistia a cortes e raspagens. O pneu pneumático ou cheio de ar, que carregava a carga e absorvia os choques do ar comprimido na carcaça do pneu, foi patenteado já em 1845. Pneus de borracha sólida eram preferidos aos pneus devido à sua durabilidade, então pneus pneumáticos caíram em desuso. A popularidade das bicicletas no final de 1800 reviveu a ideia do pneu, e em 1888 um veterinário de Belfast chamado John Boyd Dunlop obteve uma patente para um pneu de bicicleta pneumática.

O primeiro uso dos pneus para automóveis foi realizado pelos irmãos Michelin, André e Édouard. Eles equiparam um carro com pneus e o conduziram na corrida Paris-Bordeaux, em 1895. Embora os irmãos não tenham vencido a corrida, eles geraram interesse popular em pneus, acarretando na transformação da Michelin em uma das principais produtoras de pneus da Europa. Ao mesmo tempo, pneus de borracha maciça desapareceram das rodovias, principalmente por causa da legislação que desestimulava seu uso porque eram difíceis nas estradas.

Em 1898, a Goodyear Tire and Rubber Company – nomeada dessa maneira em homenagem a George Goodyear, o descobridor da borracha vulcanizada – foi formada na América por Frank Seiberling. Dois anos depois, surgiu a Firestone Tire & Rubber Company, fazendo com que vários fabricantes de pneus fossem surgindo.

Nos cinquenta anos seguintes, os pneus de automóveis eram compostos por um tubo interno que continha ar comprimido e uma cobertura externa que protegia o tubo interno e proporcionava tração. A borracha que compunha essa cobertura era reforçada por camadas de cordões de tecidos emborrachados fincados na borracha. Os pneus fabricados durante esse período eram conhecidos como pneus viés, porque espessuras corriam pelos pneus alternando as camadas diagonais em um ângulo de aproximadamente 55 graus em relação ao aro da roda.

Os pneus viés continuam a ser feitos e são vendidos como equipamentos autênticos para carros antigos e de colecionadores que foram fabricados durante esse período.

Em 1948, a Michelin introduziu pela primeira vez os pneus radiais com cinta de aço na Europa. Os pneus radiais têm esse nome porque os cordões da lona irradiam um ângulo de 90 graus em relação ao aro da roda e o revestimento é reforçado por um cinto de tecido de aço que circunda a circunferência do pneu. Nesses pneus radiais, os cordões são feitos de nylon, rayon ou poliéster. As vantagens incluem maior durabilidade, melhores características para direção e menor resistência ao rolamento, o que aumenta a quilometragem do gás.

Por outro lado, eles têm uma qualidade de pilotagem mais difícil e, por serem tecnologicamente mais completos que os pneus viés, são cerca de 45% mais caros de serem fabricados. Devido ao modo que são fabricados, os pneus radiais exigem um sistema de suspensão diferente daquele usado pelos carros projetados para pneus viés – geralmente, recomenda-se que os pneus radiais não sejam usados nessas situações.

Nas duas décadas seguintes, os pneus radiais se tornaram padrão em carros novos fora da América. A Michelin na França, a Bridgestone no Japão, a Pirelli na Itália e a Continental na Alemanha se tornaram poderosas fabricantes de pneus desse tipo. E na América, o que acontecia?

Tanto os fabricantes de automóveis americanos quanto as empresas de pneus locais combateram o pneu radial. Detroit, lar do automóvel americano, temia quanto custaria redesenhar suspensões de automóveis que aceitassem os pneus radiais. A indústria de pneus temia quanto seria o custo de reestruturar os equipamentos da indústria de pneus americanos para se adequar os pneus radiais mais caros. Não satisfeitos com a ameaça de ter que fazer grandes investimentos, a maioria dos fabricantes de automóveis e pneus descartaram o pneu radial alegando que “é um produto esquisito que não vai a lugar algum”.

Com exceção da Goodrich, as empresas norte-americanas de pneus decidiram que o público americano não estava disposto a pagar mais caro pelas funcionalidades dos pneus radiais, mantendo o empenho na produção dos pneus viés. A Goodrich resistiu a essa tendência e investiu pesado na tecnologia para pneus radiais, apenas para ter seus pneus desprezados pela indústria automobilística norte-americana. Eventualmente essa empresa acabou saindo do negócio de pneus.

Em 1967, a Goodyear, então maior empresa de pneus do mundo, apresentou sua resposta ao radial: um produto de faixa diagonal chamado Custom Superwide Polyglas. Esse modelo acrescentou um cinto de fibra de vidro ao pneu viés e duraria 30 mil milhas, comparado a 40 mil dos pneus radiais e 23 mil da primeira versão de pneus viés. Seus grandes diferenciais eram: podiam ser usados em carros projetados para pneus viés, ao contrário dos radiais, além de ser fabricado em máquinas de produção de pneus viés já existentes, fazendo com que seu custo não fosse muito maior do que o de um pneu viés.

As vendas de pneus viés subiram de 2% para 87% no mercado de equipamentos originais graças a uma campanha publicitária da Goodyear, no início dos anos 70. Em propagandas divulgando seus pneus viés, a Goodyear ridicularizava os pneus radiais pelo seu trabalho mais pesado e com alto custo. A indústria norte-americana de pneus e automóveis estava confiante do que o pneu viés se manteria como protagonista até que eles mesmos pudessem desenvolver a experiência de pneus radias da sua maneira.

Então chegou 1973 e a crise da gasolina. O gás passou de 30 centavos para um dólar por galão. Os americanos exigiam carros mais econômicos. Naquele ano, os carros importados representaram 15% das vendas americanas de automóveis, mas no início da década seguinte as importações foram de 28%. Obviamente, os carros estrangeiros vinham equipados com pneus radiais. Os americanos passaram a fazer clamor pelos pneus radiais quando perceberam que ele melhora o consumo de combustível do automóvel. Empresas como Michelin e Bridgestone ficaram muito felizes em abastecer o mercado americano.

Em meados da década de 70, a Firestone Tire decidiu entrar na produção de pneus radiais, mas modelos mais baratos, fabricados em máquinas feitas para a construção de pneus polarizados. Em 1977 a 1980, o negócio de pneus da Firestone caiu 25%, resultando na demissão de 25 mil trabalhadores. A empresa passou de um lucro de 110 milhões de dólares para um prejuízo de 106 milhões de dólares, além de uma queda significativa em suas ações.

A Firestone foi resgatada apenas quando a Bridgestone Tyre a comprou em 1988. A Goodyear finalmente produziu um pneu radial em 1977, investindo bilhões de dólares nessa tecnologia. Outras empresas americanas de pneus se fundiram ou foram compradas e, a partir de 1983, todos os novos carros americanos vinham com pneus radiais. Atualmente, a Goodyear detém cerca de 20% da participação no mercado mundial de pneus radiais, tanto de equipamentos originais quanto de reposição; Michelin 19%, Bridgestone 17%, Continental 9%, Pirelli 5%, outros 30%.


A evolução dos pneus 1888


Loja de Pneus BH - evolucao

Em 1888, Benz inventou o primeiro carro a gasolina, equipado com pneus de metal exclusivos cobertos com borracha e cheios de ar, resultando no pneu pneumático. O público, que estava acostumado com pneus duros de metal, acreditava que o pneu não era menos revolucionário. O uso popular do pneu se deu em 1895 e foi apresentado em uma corrida de carros de Paris a Bordeaux, como já mencionado.


1905


O pneu pneumático. O piso é uma parte do pneu que entra em contato direto com a superfície da estrada. Feito de borracha espessa, ele protege a carcaça e o rompedor dentro de um pneu. O coeficiente de atrito da superfície da estrada aumentou com o desenvolvimento do pneu de piso e hoje é produzido em variados padrões.


Década de 20


Loja de Pneus BH - 1905

O desenvolvimento de materiais de pneus com a popularização de automóveis e a industrialização da borracha sintética. No final de 1913, Henry Ford apresentou a primeira linha de produção em massa do mundo, marcando o início da primeira fase da popularização dos automóveis. Em 1931, a empresa americana Du Pont industrializou com sucesso a borracha sintética, permitindo que a indústria de pneus aumentasse a quantidade e qualidade dos pneus fabricados.


1923


Loja de Pneus BH - 1923

O pneu de balão, tipo de pneu de baixa pressão, utilizado em vários tipos de automóveis para aumentar sua área de contato com a superfície da estrada com baixa pressão de ar interno.


Década de 40


Loja de Pneus BH - decada de 40

Desenvolvimento de estrutura de pneus que economizavam combustível. Acontecia a crise do petróleo e era necessária alguma maneira de aliviar os preços. Tornou-se popular reduzir o tamanho e o peso de modelos de carros existentes. Muitos fabricantes eventualmente empregaram a tração dianteira em seus modelos. Com o desenvolvimento do modelo de pneus lá de 1903, o resultado foi uma redução de peso que contribuiu significativamente para a economia de combustível. Primeiramente inventado na década de 50, o pneu radial refere-se a um tipo de pneu onde as cordas e lonas da carcaça são dispostas verticalmente. Por causa da deformação mais baixa do pneu radial em relação ao pneu inclinado durante a condução, o radial tem melhor economia de combustível. O contato uniforme de seu piso com a superfície da estrada oferece boa estabilidade de direção, principalmente em alta velocidade.


Década de 70


Maior segurança nos pneus, com a segunda etapa da popularização e segurança do automóvel. O pneu run-flat foi desenvolvido em 1979, projetado para permitir que o veículo continue a ser conduzido a até 80 quilômetros por hora sem substituir o pneu novo quando perfurado.


Década de 80


Loja de Pneus BH - decada-70

Mesmo com arranhões ou furos causados por obstáculos ou raspagem do pneu durante a condução, o pneu run-flat é capaz de manter uma velocidade de condução constate. Ele protege o motorista de vários acidentes que podem surgir em situações de emergência. Passou a acontecer também um maior desempenho dos pneus devido ao desenvolvimento do pneu UHP. Com a transformação do automóvel de um método eficaz de transporte em um símbolo de poder financeiro pessoal e liberdade, as pessoas ficaram cada vez mais interessadas em impulsionar o desempenho.

O desempenho de direção aumentou com o desenvolvimento do pneu UHP (Ultra High Performance), que possui curvas, dirigibilidade e frenagem superiores, de acordo com o novo desenvolvimento da tecnologia de pneus.


Anos 2000


Loja de Pneus BH - 2000

Pneus e o meio ambiente, com o desenvolvimento do pneu Eco Tuning. Com o crescente interesse em conservação ambiental, uma variedade de carros ecológicos estavam sendo desenvolvidos, como o carro a hidrogênio e o carro elétrico. Dessa forma, pneus que aumentam a economia de combustível e, portanto, ajudam a proteger o meio ambiente, estão em desenvolvimento.


2012 e o futuro dos pneus


Loja de Pneus BH - futuro

Em 2012, a Hankook Tire desenvolveu um pneu sem ar usando um novo tipo de material. O NPT (Non Pneumatic Tire) economiza energia reduzindo o processo de produção pela metade. Criado a partir de um novo tipo de material único, ainda pode ser reutilizado e reciclado. O NPT será usado para modelos de carros ecológicos, incluindo carros a hidrogênio, elétricos e híbridos.

Entre em contato agora mesmo!

Loja de Pneus BH lugar

Endereço

Praça Raul Soares, 85 - Belo Horizonte - MG

E-mail

contato@evotekone.com.br

Telefone para Contato

(31) 3292-7257

WhatsApp - Celular

(31) 9357-1951