Belo Horizonte - Minas Gerais (31) 3292-7257 Segunda - Sexta - 8:00 às 18:00
hyundai

A história da Hyundai

A história da Hyundai

Atualmente, os automóveis são parte importante na vida de bilhões de pessoas ao redor de todo o mundo. Sendo o principal meio de transporte de pessoas, principalmente em meios altamente urbanizados, os carros, para muitos indivíduos, são bens indispensáveis necessários para a vida. Desse modo, para escolher o seu modelo e a sua marca, o consumidor procura a fabricante mais confiável e, nesse quesito, algumas se destacam.

Um exemplo é a Hyundai, uma das maiores montadores de todo o mundo que tem sede em Seul, na Coreia do Sul. Fundada no final do ano de 1967, o que a fez completar 50 anos recentemente, a empresa é uma das confiáveis nesse ramo, garantindo fabricar automóveis de qualidade e com um design inovador. Por esses motivos, a companhia também faz bastante sucesso no em território brasileiro, como podemos ver no HB20, que há alguns anos já figura entre os carros mais vendidos por aqui.

Pelo seu tamanho e sua importância para o mercado financeiro como um todo, hoje iremos falar da história dessa marca e quais os passos que precisaram ser dados para se tornar o que é hoje.

A fundação e os primeiros modelos produzidos

Oficialmente, a data de fundação da Hyundai se deu no dia 29 de dezembro de 1967. Contudo, a empresa surgiu dentro de uma companhia que já havia sido criado 20 anos antes, no ano de 1947, por Chung Ju-Yung, com o nome de Hyundai Engineering and Construction Company. Nesse tempo, tudo que a montadora fabricava era viaturas para o próprio país.

Como ainda estava se recuperando dos efeitos da guerra, e muitos anos atrás das principais empresas nesse ramo, que já aproximavam de meia década de fundação, a Hyundai não dispunha da tecnologia necessária para fabricar automóveis de alta performance, ou seja, que poderiam competir com outros carros no cenário internacional. Para resolver esse problema, em 1968, apenas um ano depois de sua criação, a empresa fez um contrato com a Ford, montadora dos Estados Unidos, o qual permitia que construísse modelos já consolidados na América e na Europa a fim de abastecer o mercado interno.

Desse modo, o que ficou conhecido como os dois primeiros carros produzidos pela Hyundai eram, na verdade, provenientes da Ford. Estes eram, em primeiro lugar, o Ford Cortina e, logo após, o Ford Granada. O primeiro carro oficialmente idealizado e montado pela Hyundai surgiria apenas 7 anos depois de sua fundação, em 1974. Este automóvel ficou conhecido como o Hyundai Pony, que foi apresentado para o mundo em um evento neste mesmo ano, acontecido no Salão de Turim, na Itália. Apesar de ser oficialmente credito à montadora sul coreana, toda a tecnologia, incluindo motor e suspensão do carro eram provenientes da Mitsubishi, fundada em 1870, quase 100 anos antes da Hyundai. Lançou, em 1975, o modelo Excel.

O primeiro fracasso

A década de 1980 havia começado bem para a Hyundai. Depois de, nos anos anteriores, inaugurar uma nova fábrica em seu país de origem, a qual poderia produzir centenas de milhares de veículos ao ano, e começar a exportar o Pony, que contou com mais de mil unidades mandadas para outros países, a companhia começava a ter nome no mercado internacional.

Com todo esse sucesso, a montadora lançou uma nova geração do Pony, apresentou o sedã Stellar, que tinha a tarefa de substituir o Cortina e também mostrou mais uma criação, um modelo de luxo que ficou conhecido como Grandeur. A partir de tudo isso, no final de 1987, apenas 20 anos depois de sua criação, a companhia já havia atingido a marca de 1 milhão de veículos comercializados. Tudo ia bem naquele tempo, mas uma decisão errada ainda iria estragar as coisas.

Um ano antes, mais precisamente em 1986, a Hyundai iria ingressar no maior mercado consumidor de todo o mundo, pois começaria a exportar o modelo Excel para os Estados Unidos. O problema é que, na mesma medida que o mercado consumidor norte americano é grande, a concorrência segue a linha de raciocínio. Isso significaria que, apesar de ter sido um sucesso no mercado interno e em alguns outros países da Europa, para atingir esses objetivos nos EUA precisaria de novas saídas.

Foi nesse momento que aconteceu o primeiro fracasso da Hyundai. A saída que escolher para o seu sucesso nos Estados Unidos foi de diminuir o valor final do Excel, com o objetivo de que um modelo mais barato seria mais bem aceito pelos consumidores. Contudo, esse tiro saiu pela culatra, já que, para diminuir o preço final do veículo, alguns itens e sistemas de controle tiveram de ser tirados da produção, o que reduziu consideravelmente a qualidade.

Essa decisão realmente foi a pior que poderiam tomar. Devido aos grandes problemas de estabilidade e a troca de peças que deveria ser constante, os veículos produzidos pela montadora sul coreana viraram motivo de piada para os estadunidenses, literalmente. Na época, um humorista montou uma lista com as 10 melhores pegadinhas para se fazer com um astronauta enquanto esse está no espaço. Dentre essas, uma dizia que seria amedrontador para o indivíduo se colassem um adesivo da Hyundai no painel de controle.

O primeiro motor e o restabelecimento nos Estados Unidos

Em 1991, 24 anos depois de sua fundação, a Hyundai começou a produzir o primeiro motor de fabricação própria, sem necessitar das tecnologias de outras montadoras. Nesse momento, uma situação bastante curiosa começou a acontecer. A Mitsubishi, que forneceu os motores para a montadora por muito tempo, passou a comprar esses itens, que ficaram reconhecidos como de alto desempenho e alta qualidade. Cinco anos depois, em 1996, atingiria a marca impressionante de 10 milhões de unidades produzidas e comercializadas em todo o mundo.

Essa foi uma época de ressurgimento para a marca, uma vez que a sua imagem estava queimada no cenário internacional, principalmente nos Estados Unidos. Inaugurou uma fábrica no território europeu, mais precisamente na Turquia. Além disso, começou a fabricar veículos que prometiam entregar alta performance e detinham um visual bastante moderno, com linhas que atraíam os consumidores. Para se livrar da má impressão causada, oferecia aos clientes 10 anos de garantia em seus automóveis, uma condição nunca antes vista no mercado automobilístico.

A fusão com a Kia e o sucesso como marca confiável

No ano de 1998, uma grave crise financeira e econômica atingiu a Coreia do Sul, que tinha – e, atualmente, ainda tem – a Kia e a Hyundai como parcela enorme do PIB. Desse modo, para conseguirem sair ilesos desse problema vivido em território nacional, as duas empresas decidiram por se juntar. A Hyundai comprou a Kia Motors e mudou ligeiramente o nome da companhia, ficando conhecido como Hyundai Kia Automotive Group.

Ainda com o objetivo de melhorar a sua imagem no mercado internacional, que ainda persistia em continuar na cabeça de muitos consumidores, a montadora investiu em ter como um diferencial a adição de itens que eram opcionais em modelos de outras montadoras. Isso teve um peso enorme na reputação da marca, fazendo-a ganhar por dois anos seguidos, em 2002 e 2003, o prêmio de melhor marca para acionistas em todo o mundo. Além disso, o modelo sedã de luxo Sonata ganhou, nesses mesmos dois anos, o prêmio de carro mais seguro e confiável.

Hyundai: Uma das marcas mais valiosas do mundo

Todas as inovações e medidas feitas para mudar a visão que se tinha da Hyundai foram efetivas. Mong-Koo Chung, filho do fundador da empresa é o principal personagem nessa história, uma vez que foi o primeiro a propor as mudanças que deram certo, logo na época em que foi nomeado CEO da companhia.

Atualmente, a Hyundai é uma das montadoras de automóveis mais famosas em todo o mundo, sendo bastante reconhecida pela qualidade de seus carros, que sempre entregam uma das melhores performances do mercado automobilístico mundial. Mas esse sucesso não é visto apenas nos consumidores: a marca Hyundai também está entre as mais valiosas de todo o mundo.

Em pesquisa publicada no final do ano de 2017 pela Interbrand, uma das principais consultoras do mundo, a Hyundai ficou classificada a 35ª mais valiosa do mundo, apresentando ainda um crescimento de 5% se comparado ao ano anterior. Atualmente, está próxima de atingir a marca de 5 milhões de veículos comercializados em sua história.

Com o valor de mercado estimado em 13,2 bilhões de dólares, a Hyundai é, atualmente, a sexta maior montadora de automóveis em todo o mundo, a frente de marcas famosas e populares, como a Audi e a Volkswagen.

Leia mais: os carros mais vendidos de 2018

Ainda falando de sua marca, o nome da empresa é derivado de uma palavra no coreano, que tem a escrita de hyeondae e, em tradução livre para o português, significa algo como “modernidade”. Este, nos dias atuais, é um aspecto característico da companhia. Em relação ao seu logotipo, ele se aparenta como um H dentro de uma forma oval. O idealizador dessa logo defendeu que a forma representa o alcance mundial da marca, e o H, que parece meio torto, tem o objetivo de se assemelhar com um “aperto de mão” entre duas pessoas que, nesse caso, são tidos como o consumidor e a empresa.

A companhia já teve alguns slogans durante a sua trajetória. Entre eles: Driving is believing (Dirigir é acreditar), Always There For You (Sempre lá para você) e os mais recentes e conhecidos do mercado consumidor atual: Drive your way (Dirija/Conduza o seu caminho) – que começou no ano de 2005 e terminou em 2011 – e New Thinking, New Possibilities (Novas Ideias, Novas Possibilidades), estabelecido em 2011 até os dias de hoje.  

Leave a comment