Sem categoria

BCAA e creatina fazem mal a diabéticos

BCAA e creatina fazem mal a diabéticos

BCAA e creatina fazem mal a diabéticos – Na era das redes sociais e da cultura de exposição da própria imagem nelas a preocupação com a estética se faz cada vez maior.

Assim, percebemos as academias cada vez mais lotadas, pois as pessoas querem alcançar o físico mais definido possível, e as clínicas de estética formando filas para atender às necessidades de dieta para atingir bons resultados na academia e para resolver questões que sempre causaram incômodo, mas têm suas proporções aumentadas com esse fenômeno, como é o caso da acne.

Isso acontece porque as pessoas têm a necessidade de expor ao público o que acreditam ser a melhor versão de si, o que é muito atrelado à estética principalmente quando se trata de redes sociais que têm como foco principal a foto, resultando, ainda, em outro aspecto cultural da atualidade: a edição das fotos, que gera uma imagem irreal das pessoas, estabelecendo um padrão estético irreal.

Além disso, ao acompanharem centenas de outras pessoas nessas redes, o contato contínuo com aqueles cujos corpos são uma espécie de meta traz à tona com muito mais frequência a necessidade de se esforçar para alcançar esse objetivo, o que inicia uma corrida em busca da perfeição.

Dessa maneira, ao desejarem potencializar os resultados de seus exercícios físicos e atingi-los de maneira mais rápida, as pessoas procuram cada vez mais por suplementos que cumpram essa função.

Assim, são adotadas diversas estratégias para alcançar o corpo sarado e musculoso desejado, envolvendo suplementação esportiva e vitamínica e até medicação, o que pode ser benéfico para a saúde, mas também muito prejudicial caso feito de maneira irresponsável.

Neste artigo, falaremos sobre dois dos principais suplementos do mercado fitness, a creatina e o BCAA, passando por suas ações no corpo e avaliando se o uso deles é prejudicial às pessoas diabéticas.

O que é creatina? BCAA e creatina fazem mal a diabéticos

A creatina, do grego kreas, que significa carne, é um composto de aminoácidos encontrado nas fibras musculares e no cérebro.

Os aminoácidos da creatina são considerados não essenciais, ou seja, são produzidos no nosso próprio organismo, mais especificamente, no fígado e nos rins, que produzem uma quantidade considerada metade do necessário, sendo a outra metade obtida por meio de – a origem da palavra já denuncia: – ingestão de carne.

Como a creatina age no organismo? BCAA e creatina fazem mal a diabéticos

Ao ser produzida, a creatina participa do processo de produção de moléculas de ATP (adenosina trifosfato), molécula que fornece energia aos tecidos musculares, e é transportada pela corrente sanguínea até os tecidos musculares, para os quais ela produz a energia.

Assim, as pessoas que têm interesse em elevar seus níveis de ATP a fim de aumentar sua produção energética, procuram suplementos de creatina, que, por conseguinte, são muito populares no meio de atletas como fisiculturistas e lutadores de jiu-jitsu, muay thay e judô, cujas atividades físicas são intensa e curtas, o cenário ideal para a ação do suplemento de creatina.

Assim, ele dá mais energia, aumentando a resistência, e fortalece os músculos do atleta, aumentando sua força, além de agir na regeneração muscular, reduzindo o tempo necessário para recuperação de cada exercício, o que provoca melhora no desempenho nas atividades físicas.

Creatina faz mal? BCAA e creatina fazem mal a diabéticos

Como dito, a creatina é uma substância já presente no organismo e obtida muito frequentemente também por meio da alimentação, o que a configura como segura para a saúde.

A suplementação da creatina, portanto, não é prejudicial à saúde, mas pode, sim, causar danos com o consumo indiscriminado e excessivo devido às possíveis alterações muito bruscas nas concentrações da substância, assim como no caso de qualquer outra que não esta.

Além disso, é importante frisar que cada corpo tem suas especificidades e algumas, como a tendência a formar pedras nos rins, representam uma contraindicação nesse sentido, pois um dos efeitos da creatina é provoca retenção de água, o que pode agravar esse quadro.

Dessa maneira, explicita-se a importância da orientação médica para o consumo não só da creatina, mas também de qualquer outro suplemento ou substância, sendo possível obter os melhores resultados com segurança para a saúde.

O que é BCAA? BCAA e creatina fazem mal a diabéticos

BCAA é uma sigla do inglês branched-chain amino acids, que significa aminoácidos de cadeia ramificada.

Ele é composto por leucina, a isoleucina e a valina, 3 aminoácidos essenciais, ou seja, 3 aminoácidos que não são produzidos pelo corpo, sendo necessários obtê-los de maneira externa.

Tais aminoácidos estão associadas à regulação da saciedade, à síntese proteica muscular, sendo eles responsáveis por 1/3 das proteínas musculares, à manutenção dos tecidos dos órgãos e à homeostase da glicose, mantendo sua quantidade ideal no sangue.

Assim, se faz necessária a obtenção destes, que pode ser feita pela alimentação, ingerindo alimentos como carnes, ovos, laticínios, feijão, quinoa e lentilha, ou por meio da suplementação.

Como o BCAA age no organismo? BCAA e creatina fazem mal a diabéticos

Para a obtenção de proteínas no organismo, são necessários os aminoácidos, o que não é diferente no caso das proteínas musculares, que são em grande parte produzidas pelos aminoácidos de cadeia ramificada.

Cada aminoácido de cadeia ramificada do BCAA tem funções importantes nesse sentido: a leucina proporciona o aumento da quantidade de proteínas, sendo um componente delas, atua como fonte energética, aumenta a resistência muscular e reduz a fadiga; a isoleucina ajuda na perda de peso, sintetiza proteínas musculares e diminui a degradação dos músculos causada pelo esforço físico; e a valina é a responsável pela biossíntese de proteínas.

Assim, o consumo de BCAA se faz essencial nos casos em que se deseja ganhar massa muscular, pois eles possibilitam o crescimento dos músculos e, ainda, ajudam a diminuir as lesões musculares causadas pelo exercício físico intenso.

Durante essa prática, o corpo gasta muita energia, as reservas de glicogênio no sangue abaixam muito, o que estimula a busca por outras fontes de energia, fazendo com que ele entre em processo de catabolismo, utilizando a alanina para sintetizar mais glicose, o que é contrário ao processo de aumento da massa muscular, pois os aminoácidos cessam a síntese proteica para sintetizar glicose.

Dessa maneira, com a suplementação de BCAA, o corpo não sente a necessidade de alterar a síntese dos aminoácidos, pois eles estimulam a produção de insulina, aumentando a absorção de glicose, evitando, assim, o catabolismo indesejado.

Além disso eles também transportam nitrogênio, necessário para a produção de mais aminoácidos, o que aumenta a síntese de proteínas e, consequentemente, favorece o aumento da massa muscular.

BCAA apresenta efeitos colaterais? BCAA e creatina fazem mal a diabéticos

O BCAA pode provocar alterações no metabolismo da glicose, mudando os níveis de glicose no sangue, assim podendo causar hipoglicemias temporárias e resistência insulínica.

Isso acontece devido à ativação da proteína mTOR pela leucina, de maneira a impulsionar o ganho de massa muscular, mas também alterar o metabolismo glicêmico. Como no caso de outros suplementos, no caso consumido em excesso, provocar, ainda, sobrecarga renal e possível inchaço.

Além disso, acredita-se que ele pode agravar condições já existentes relacionadas à ELA e ao TOC, por exemplo.

Suplementar BCAA e creatina juntos faz mal? BCAA e creatina fazem mal a diabéticos

A suplementação, seja de BCAA, de creatina, ou de qualquer outra substância inserida artificialmente no organismo, pode ser prejudicial à saúde se feita sem orientação profissional.

No caso do BCAA, por exemplo, quadros de diabetes podem ser provocados ou agravados em caso de uso inadequado. Já em relação à creatina, a tendência que se cria ao aumento da produção de urina pode levar ao aparecimento de sintomas distintos, que podem também agravar outras condições.

A associação do consumo dos dois suplementos, contudo, não apresenta nenhum dano por si só, sendo inclusive feita já na formulação de alguns suplementos indicados para consumo pré-treino.

Nessa perspectiva, é importante mencionar a importância da orientação de um médico especialista para que seja iniciado o consumo de qualquer suplemento ou substância nova, principalmente nos casos de associação de mais de um tipo, de maneira que o consumo seja seguro e feito da melhor forma possível para cada caso, obtendo, assim, os melhores resultados.

O que é diabetes? BCAA e creatina fazem mal a diabéticos

BCAA e creatina fazem mal a diabéticos
BCAA e creatina fazem mal a diabéticos

A diabetes mellitus é uma condição de deficiência de insulina, hormônio responsável pela entrada da glicose nas células, seja pela falta dela ou pela dificuldade na sua absorção, o que prejudica o metabolismo do carboidrato usado como fonte de energia e intermediário metabólico.

Assim, a doença é definida pelo aumento da concentração da glicose no sangue, o que acontece por diferentes motivos, levando a diferentes tipos de diabetes. São eles: diabetes tipo 1, diabetes tipo 2, diabetes gestacional e diabetes associada a outras patologias.

A diabetes tipo 1, também chamada de insulinodependente, é caracterizada pela deficiência na produção de insulina pelo pâncreas, que tende a começar a se manifestar na infância e na adolescência, gerando a dependência das injeções diárias de insulina, ao que se deve o nome.

Já a diabetes tipo 2, se manifesta geralmente depois dos 4 anos devido a células resistentes à insulina, podendo gerar dependência em relação às injeções ou não.

A diabetes gestacional ocorre em grande parte dos casos devido a aumentos de peso muito grandes durante a gravidez. Por fim, tem-se a diabetes associada a outras patologias, como é o caso da pancreatite, que, devido à inflamação do órgão que produz a insulina, essa produção fica comprometida.

Diabetes: como evitar e identificar? Prevenção e sintomas.

Além das predisposições genéticas, existe uma série de fatores de risco que elevam a possibilidade de que a doença se manifeste, sendo eles: obesidade, falta de atividade física regular, hipertensão, altos níveis de colesterol e triglicérides, estresse emocional, uso de alguns medicamentos como os á base de cortisona e idade avançada.

Assim, para evitar a manifestação da doença e, consequentemente de seus sintomas, é necessário se atentar a estes fatores, fazendo exames de níveis para avaliar estes níveis periodicamente, mantendo uma dieta balanceada e praticando exercícios físicos regularmente, de maneira a tomar ainda mais cuidado com essas questões quando há anormalidades nos exames e na idade mais avançada.

Os sintomas que podem aparecer devido à doença são; poliúria e consequente polidipsia, ou seja, aumento da necessidade de urinar, o que provoca desidratação e muita sede; aumento do apetite, alterações visuais; impotência sexual; infecções de fungos na pele e nas unhas; aparecimento de feridas de cicatrização lenta principalmente nos membros inferiores; neuropatias diabéticas, que representam a lesão dos nervos devido a glicemia elevada; e distúrbios e cálculos renais.

Dessa maneira, com o aparecimento desses sintomas, é necessário procurar um médico para que ele possa orientar tratamentos para a doença.

Suplementar BCAA e creatina juntos faz mal para diabéticos? BCAA e creatina fazem mal a diabéticos

Como dito, a suplementação sem orientação médica é arriscada e pode provocar danos severos à saúde, sendo essa consulta ao profissional ainda mais necessária no caso de pessoas como os diabéticos, que apresentam diversas restrições alimentares devido à deficiência de insulina.

No caso da diabetes tipo1, as restrições aos suplementos são muito grandes, sendo menores as possibilidades de recomendação de consumo, mas podendo ela ser feita com indicação médica, pois é importante lembrar das diferenças entre os organismos de cada indivíduo, do nível de defasagem de insulina, dentre outros fatores que o profissional da saúde leva em consideração para recomendar ou contraindicar algo como um suplemento.

Já em relação aos portadores de diabetes tipo 2, o consumo é menos restrito, mas, ainda assim, só deve ser feito com indicação médica, sendo geralmente indicados produtos low carb.

Apesar das restrições, há hoje estudos clínicos que apontam a creatina como uma possível impulsionadora dos tratamentos de diabetes tipo 2 e de seus sintomas e a relação do BCAA com a resistência a insulina como contrária ao que era imaginado, sendo a RI a suposta causa do aumento dos níveis de BCAA, não o aumento dos aminoácidos responsável pela resistência ao hormônio.

Gostou do nosso artigo sobre “BCAA e creatina fazem mal a diabéticos”? Venha conferir nosso blog! Lá disponibilizamos diversos artigos que abordam o mundo dos suplementos, dos treinos, da dieta e da saúde. Separei aqui alguns que acho que você vai gostar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *