A história do Fiat 147

Nascimento:

A Fiat inaugurada no dia 9 de julho de 1976 para a produção do pequeno 147, derivado do modelo italiano 127 lançado em 1971.O executivo principal da união das empresas Fiat,Giovanni Agnelli, participou da inauguração da fábrica na cidade de Betim em Minas Gerais.

A Fiat teve grande impacto no mercado, e se instalou fora do estado de São Paulo, principal área automobilística naquela época. No Rio de janeiro havia a fábrica nacional motores,FNM, da qual Fiat possuía 43% do capital, que estava construindo o Alfa Romeo 2300 em uma unidade fraca e produção tímida.

Segundo as fábricas o Fiat 147 foi testado por mais de um milhão de quilômetros para testar a sua estrutura,desempenho,consumo,a robustez da suspensão e da tração dianteira.A apresentação ao público ocorreu no Salão do automóvel de 1976.

Lançamento:

Diversas pessoas tiveram preconceitos com o carro quando foi lançado como: muito pequeno, aspecto frágil, som estridente saindo pelo escapamento entre outros. A caixa de transmissão possui quatro marchas e lembrava a do willys-Renault Dauphine/Gordini, pela alavanca “espetada” no assoalho, e a primeira marcha possuía uma maior dificuldade em seu engate. O 147 vinha enfrentar os Volkswagem Fusca e Brasília, com uma tecnologia antiga, e o Chevroulette Chevette que, era novo mais seguia outro caminho.

Com peso de 800 kg e 3,63 metros de comprimento, conseguia ser menor que o fusca em quase 40cm. A frente era diferente na adotada no 127: os faróis com cantos arredondados e quadrados, grande preta com frisos horizontais, luzes de direção retangulares acima do pára-choque.

Especificações:

No interior, o painel tinha apenas funções básicas. O velocímetro chamava a atenção pois havia um ponteiro espesso e amarelo, que parecia um brinquedo.Nao possui um marcador de temperatura, apenas uma Luz-espia, oque acabou mudando mais tarde,o 147 tinha uma lâmpada de alerta para reserva de combustível e uma posição do interruptor de ignição para manter as luzes acessas com o motor desligado. A solução disso foi evitar que se esquecessem as luzes ligadas ao sair do veiculo.

Uma coisa interessante era o volante mais para a horizontal, que muitos odiavam pois era preciso dirigir mais perto dele para que ficasse ao alcance melhor das mãos. Um porte do veículo, que o mercado que o espaço do veiculo era capaz de acomodar os cinco ocupante de forma bem melhor que os seus rivais, algo bem inesperado quando se vê as dimensões externas.E a posição do volante era o segredo,exigindo uma postura mais ereta dos ocupantes.

O Carro ainda possui um porta-malas aceitável para usa categoria e a possibilidade de rebater o banco de trás, algo incomum ainda.

O motor de quatro cilindros e 1.048,8 cm³ de cilindrada era disposto em posição transversal, pela primeira vez em um carro nacional, e fornecia potencia bruta de 56cv

O comando no cabeçote recebia movimento do virabrequim por meio de uma correia dentada, como no Chevette e no VW Passat.

Sucesso fora do Brasil:

A linha 147 foi exportada em uma quantidade considerável,até mesmo para a Itália.nesta versão a Fiat usava um motor a diesel de 1,3 litro, 45cm e 7,6m.kgf, derivado da unidade de gasolina na fabrica em Betim e destinadas ao exterior, nesta época era proibido o uso deste combustível era proibido nesta época , no exterior era chamado de 127D e era o menor carro movido a diesel do mundo.

 

 

 

 

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *